fbpx

Os primeiros sinais e sintomas de uma gravidez nem sempre são específicos, por isso podem causar certa confusão. E isso de ambos os lados: para quem deseja muito engravidar e para quem não quer uma gestação neste momento. No caso das mulheres que sonham em ser mães, a situação traz muita ansiedade e expectativa.

A informação mais importante é que, em alguns casos, os sinais precoces da gravidez podem ser “enganosos”, uma vez que a mulher apresenta sangramento discreto – uma reação normal da implantação do embrião da parede do útero (endométrio). É por isso que algumas confundem e só descobrem que estão grávidas após semanas, meses, pois acreditavam que o pequeno sangramento anterior era a “menstruação”.

A recomendação neste caso, ou seja, para saber identificar exatamente os sinais, é “ouvir” o corpo. Cada mulher sabe e sente as reações do seu organismo, portanto, é fundamental não normalizar sinais e sintomas diferentes dos habituais. Além disso, é importante passar pelo médico ginecologista diante das dúvidas e suspeitas.

No entanto, existem o efeito oposto, ou seja, mulheres que aguardam ansiosamente pela confirmação da gravidez, mas quando percebem é novamente um ciclo menstrual, a menstruação em si. Para quem se identifica, a recomendação é fazer a confirmação (negativa neste caso) via teste, além de passar pela consulta com o médico.

Outra orientação indispensável é para mulheres que, após 12 meses de tentativas, não alcançam a gravidez, uma vez que é considerado quadro de infertilidade. Ao ouvir o termo “infertilidade”, a frustração e sensação de tristeza são quase que imediatas, mas existem tratamento que favorecem a gravidez. Sendo assim, o primeiro passo é buscar o ginecologista especialista em reprodução assistida. Tudo começa pela avaliação e, após diagnosticada a causa da infertilidade, os métodos serão indicados e o sonho da maternidade, da paternidade podem se tornar uma realidade.