fbpx

Peixoto A.P., Rosa, V.B. , Lucca, J.A., Schuffner, A.

Introdução: A monitoração da espessura endometrial durante o acompanhamento de um ciclo induzido é de fundamental importância. Estudos indicam que a taxa de gravidez está intimamente ligada a este fator.

Objetivo: Demonstrar a importância da espessura endometrial nos resultados de gravidez em ciclos de fertilização in vitro (FIV), corroborando a literatura.

Método: Foi realizado um estudo retrospectivo de caso-controle onde foram selecionadas 183 pacientes submetidas a protocolos diferenciados de fertilização in vitro (FIV), no período de Janeiro de 2011 a Março de 2012. Foi analisado a taxa de gravidez comparando as diferentes espessuras endometriais no dia da aplicação do hCG (gonadotrofina coriônica humana). Apenas foram considerados ciclos com transferência de embriões a fresco. Ciclos de doadoras não foram incluídos na análise. Foram realizadas três análises em relação ao ponto de corte da espessura endometrial no dia do hCG: com 07, 08 e 09mm.

Resultados: Conforme análise estatística realizada pelo teste de Fisher e considerando um p<0,05 como critério para significância estatística, observou-se que a taxa de gravidez (ß-hCG) foi menor no grupo com espessura inferior a 07mm (10%) versus 42,8% no grupo com espessura maior que 07mm, com p=0,04. Nos pontos de corte 08 e 09mm também foi observada maior taxa de gravidez para endométrios mais espessos (27,8 e 56%; 33,3 e 45,3% respectivamente), contudo não houve significância estatística nestes grupos (p=0,08 e p=0,12 respectivamente). Discussão: A taxa de implantação de embriões com boa qualidade ainda permanece baixa em ciclos de FIV, apesar dos grandes avanços nos regimes de estimulação ovariana e nas condições de manipulação dos gametas e embriões. É consenso na literatura que o sucesso na implantação depende de uma forte relação entre o endométrio e o blastocisto, onde vários fatores estão envolvidos, sendo um deles a espessura endometrial no dia do hCG. Ainda não há consenso em relação à espessura endometrial mínima para a ocorrência de gravidez. A maioria dos autores concordam que a gravidez não ocorre com uma espessura endometrial menor que 07mm. Neste estudo, foi possível observar uma diferença estatisticamente significativa neste ponto de corte, corroborando a literatura. Poster apresentado no 16º Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida, em Guarujá, SP.