fbpx

Fertilização In Vitro (FIV)

Imagem Fertilização In Vitro (FIV)

A fertilização in vitro, também conhecida apenas como o FIV ou “bebê de proveta”, é um dos tratamentos de reprodução assistida mais aplicados em todo o mundo, sendo o Brasil um dos países que mais realizada a técnica na América Latina.

As altas taxas de sucesso, que podem chegar até 60% já na primeira tentativa, é uma das razões grande procura e recomendação do tratamento para casais ou pessoas que sonham em ter filhos. Especialistas da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva relatam ainda 80% de chance de a fertilização in vitro funcionar. Outro detalhe que eleva as chances de alcançar a gestação é que a área avançou muitos nos últimos anos.

O método, indicado para diversos diagnósticos de infertilidade e outras situações, consiste na união via laboratório entre o óvulo e o espermatozoide (ambos do próprio casal ou de doadores em alguns casos). Portanto, forma-se o embrião (estágio inicial da concepção) para depois depositá-lo diretamente no útero para que ocorra a gestação (transferência embrionária).

Embora a transferência dos embriões para o útero da pessoa que vai gestar o bebê seja um dos momentos mais importantes, a fertilização in vitro exige algumas etapas. A primeira é a coleta dos gametas masculinos e femininos, neste caso a mulher precisa passar pela indução da ovulação feita por medicamentos.

A etapa seguinte é a seleção dos melhores espermatozoides e óvulos para que seja feita a fecundação e desenvolvimento in vitro e, posteriormente, a transferência embrionária, procedimento semelhante ao exame de papanicolau, é realizada após alguns dias.

A fertilização é indicada para:

  • Mulheres que fizeram o congelamento de óvulos (criopreservação) e agora desejam engravidar de um filho biológico;
  • Casais que apresentem alguma dificuldade na chegada dos espermatozoides até o óvulo feminino, como alterações na produção ou baixa motilidade do espermatozoide e obstrução das trompas;
  • Mulheres com laqueadura;
  • Endometriose;
  • Idade materna avançada;
  • Mulheres que tiveram problemas na produção dos óvulos e optaram por receber os gametas de uma doadora;
  • Casos de infertilidades sem causa aparente;
  • Casais homoafetivos, porém, no caso de casais do sexo masculino é necessário a doação de óvulos, bem como a barriga solidária para gestar o bebê;
  • Mulheres que desejam produção independente.

A fertilização in vitro é um método que exige acompanhamento criterioso do paciente, bem como amparo de uma equipe multidisciplinar, esta conduzida pelo médico ginecologista especializado em tratamentos de reprodução assistida.