fbpx

Oncofertilidade

Imagem Oncofertilidade

A oncofertilidade pode ser definida como uma especialidade na qual o objetivo é preservar a fertilidade de pessoas com câncer, na qual o objetivo é proporcionar uma possibilidade futura de formação de uma família depois do tratamento. Atualmente, os tratamentos para o câncer, como a quimioterapia e radioterapia, têm alto potencial de ocasionar destruição de células dos ovários e testículos.

A preservação do material biológico antes da realização dos tratamentos para o câncer possibilita que, no futuro, os pacientes tenham mais chances de constituir família, uma vez que a paternidade e maternidade é um grande sonho.

Antes de passar pelo procedimento ou método indicado para preservar a fertilidade, o paciente precisa passar por exames preliminares. No caso das mulheres, por exemplo, os exames avaliam a reserva ovariana, dosagem do hormônio antimülleriano (AMH), número de folículos antrais, entre outras análises. Após uma estimulação ovariana por meio de medicamentos, os óvulos são coletados e preservados em nitrogênio líquido a – 196°. O procedimento é conhecido como congelamento de óvulos.

No caso dos homens, o método disponível é o congelamento de sêmen e também exige algumas etapas antes da coleta e armazenando dos gametas. De modo geral, para ambos os casos a recomendação é que os procedimentos sejam realizados antes da cirurgia de tratamento do câncer e antes da quimioterapia/radioterapia. As técnicas de preservação não influenciam no tratamento da doença.

A oncofertilidade é uma especialidade relativamente recente, porém, já é responsável por trazer resultados satisfatórios e garantir que mulheres e homens em idade reprodutiva acometidos pelo câncer possam ter filhos futuramente. Além disso, a área tem perspectivas muito promissoras para os próximos anos. O médico capacitado a recomendar e conduzir as técnicas que preservam a fertilidade é o médico ginecologista especializado em reprodução assistida.