fbpx

Resultados de injeção intracitoplasmática de espermatozóides em pacientes azoospermicos: Enfatizando a relação entre urologista e profissional da medicina reprodutiva.
Monzo A., Kondylis F., Lynch D., Mayer J., Jones E., Nehchiri F., Morshedi M., Schuffner Alessandro., Muasher S., Gibbons W., Oehninger S.
Journal of Urology, 2001, 58 (1): 69-75.

Objetivos

Analisar o resultado da injeção intracitoplasmática de espermatozóide (ICSI) em ciclos de casais inférteis em que o principal diagnóstico de infertilidade foi azoospermia de origem obstrutiva e não obstrutiva.

Métodos

Oitenta e três ciclos consecutivos de ICSI foram realizados com espermatozóides recuperados dos testículos e epidídimo, 60 ciclos em 32 pacientes com azoospermia obstrutiva e 23 ciclos em 12 pacientes com azoospermia não obstrutiva. Cinqüenta e quatro biópsias testiculares (extração do esperma testicular) e 18 punções de epidídimo (micro aspiração de espermatozóides) foram realizadas.

Resultados

Os espermatozóides móveis foram recuperados em 65 ciclos (90,3%). Em outros 3 (4,2%), não foram recuperados espermatozóides moveis. Em 4 pacientes (5,5%), não houve recuperação de espermatozóides. Em 11 dos ciclos, foram utilizados espermatozóides previamente congelados de ciclos anteriores. Uma taxa de fertilização significativamente menor (64% versus 73%, P = 0,02), taxa de gravidez clínica (13% versus 47%, P <0,001), e as taxas de embriões de boa qualidade (35% versus 56%, P = 0,009) foram observadas em pacientes com azoospermia não obstrutiva. Em pacientes com azoospermia obstrutiva, não foram observadas diferenças significativas quando o resultado foi analisado com base na origem do sêmen (ou seja, desde a extração testicular dos espermatozóides ou micro- aspiração de espermatozóides). Conclusões Ao combinar extração testicular do sêmen ou micro-aspiração de espermatozóides em ciclos de ICSI e pacientes com azoospermia obstrutiva, os resultados em termos de fertilização, implantação e gravidez foram semelhantes aos encontrados em pacientes com azoospermia não obstrutiva submetidos à ICSI com espermatozóides do ejaculado. Pacientes com azoospermia não-obstrutiva apresentaram menor fertilização, qualidade embrionária e taxas de gravidez do que aqueles com azoospermia obstrutiva, provavelmente por causa de graves defeitos na espermatogênese, levando a baixa qualidade dos gametas. O urologista e endocrinologista reprodutivo tem agora uma excelente opção terapêutica para oferecer aos homens com infertilidade anteriormente intratáveis.